Ao utilizar nossa página web você aceita a nossa política de cookies. Clique aqui para mais informação. Eu aceito

Os países que querem fazer parte da União Europeia

Mapa da Europa

paises fazer parte uniao europeia

Muita gente acredita que todo país europeu faz parte da União Europeia (UE), um dos blocos econômicos e políticos mais importantes do mundo. Entretanto, existem vários países que querem fazer parte da União Europeia e garantir benefícios para sua população, sendo que alguns já possuem um pedido de entrada em andamento.

Mas o que é a União Europeia? Criada em meados dos anos 50, a União Europeia é um conglomerado de 27 nações. Seu início, com apenas 6 países, data do pós guerra, com a proposta de aumentar o poder de nações que, sozinhas, não causariam tanto impacto.

A união dos países originais começou a apresentar resultados, o que fez com que outros países integrassem o bloco com o passar dos anos. Recentemente, o bloco perdeu o Reino Unido após o movimento Brexit.

Atualmente, são cinco os países que desejam entrar para a União Europeia, sendo eles: Turquia, Albânia, Macedônia, Montenegro e Sérvia. Kosovo e Bósnia e Herzegovina são considerados potenciais candidatos para o processo, no futuro.

O que muda para membros da União Europeia

A proposta da União Europeia é integrar políticas e economias de seus países membros. Por isso, as nações que compõem o bloco possuem algumas vantagens, desde a segurança e política externa comum, até a garantia de políticas de imigração.

Além disso, os países da União Europeia utilizam a mesma moeda, o Euro, uma das mais sólidas do mercado mundial. Este fator é importantíssimo para a política financeira de cada nação, o que desperta o interesse dos países que querem fazer parte da União Europeia.

Porém, entrar para o grupo vai além da localização geográfica: é preciso que os países cumpram alguns requisitos. Entre os critérios de adesão estão o Estado de direito, a democracia, a economia de mercado e o acordo com os objetivos políticos e economias da UE.

Os cidadãos dos países membros da União Europeia tem ainda o benefício extra da livre circulação entre as nações. Assim, uma pessoa que tem cidadania italiana, por exemplo, pode visitar as nações da UE ou mesmo morar, sem passar por processos burocráticos.

Por fim, por conta de acordos políticos externos, um cidadão de um país membro da União Europeia consegue visitar outros países do mundo com facilidade, já que este passaporte é muito bem aceito.

União Europeia x Espaço Schengen

A União Europeia não é o único acordo entre países em vigor na Europa. O Espaço Schengen é outro tratado importante para a região, que tem como principal objetivo a livre circulação e comércio entre os países membros.

Por ser um segundo acordo dentro da Europa, muita gente confunde a União Europeia e o Espaço Schengen. Porém, suas diferenças são bem claras.

Os países do Espaço Schengen não necessariamente compartilham a mesma moeda e política, mas assim como a União Europeia, abriram suas fronteiras internas para facilitar a circulação e fomentar os negócios.

Existem países de fora da União Europeia que estão no Espaço Schengen – e vice versa. Islândia, Liechtenstein, Noruega, Suíça, Mônaco, São Marinho e Cidade do Vaticano são A União Europeia não é o único acordo entre países em vigor na Europa.

Há uma exigência em comum tanto para os membros do Espaço Schengen quanto da União Europeia quando falamos de viagens à turismo: a autorização de viagem ETIAS. O novo sistema deve entrar em vigor nos próximos anos e propõe uma análise prévia dos cidadãos de outros países do mundo, interessados em entrar na Europa.

Países que já contam com petição

Somente o desejo de fazer parte da União Europeia não coloca um país dentro do bloco. Para aderir à UE é preciso iniciar o processo por meio de uma petição, que não tem um prazo para ser aceita ou não.

Todos os cinco países que esperam pela entrada na União Europeia já possuem uma petição. A Turquia está há mais tempo nas negociações, desde 1987, e ainda não viu o processo terminar por políticas internas que não estão de acordo com os princípios da UE.

A Macedônia iniciou seu processo em 2004, seguida de Montenegro em 2008, e Sérvia e Albânia em 2009. Todos estão em fase de análise pelos representantes de outros países membros, que levam em consideração desde questões políticas até a estrutura financeira desses países.

Não há uma previsão para que as petições sejam concluídas. Um exemplo recente de nação a entrar na União Europeia é a Croácia, que fez o pedido em 2003 e passou a fazer parte do bloco em julho de 2013. Entretanto, a Croácia apresentava uma estrutura política mais próxima dos ideais da União Europeia.

Para os países com pedido em andamento, resta aguardar e fazer os ajustes necessários para entrarem de vez para um dos blocos econômicos mais conhecidos do mundo.