Ao utilizar nossa página web você aceita a nossa política de cookies. Clique aqui para mais informação. Eu aceito

União Europeia mantém as fronteiras fechadas para os brasileiros

Mapa da Europa

Unio Europeia fronteiras fechadas brasileiros

Desde que a pandemia do novo coronavírus começou em todo o mundo, a Europa sofreu com uma grave crise sanitária em alguns de seus maiores países. Itália e Espanha foram bastante afetadas e, até o momento, já são mais de 176 mil mortos no continente europeu.

Uma das primeiras atitudes relacionadas à prevenção e controle da doença foi o isolamento social, o que fez com que muitos países fechassem suas fronteiras por meses. Agora que o número de casos segue sem grandes picos, as nações da União Europeia concordaram em reabrir o bloco para o turismo – mas nem todas as nacionalidades poderão fazer uma visita ao continente.

O Brasil é um dos países que estão fora da chamada Lista Verde da União Europeia. Significa que as fronteiras da Europa seguem fechadas para os brasileiros. Isso acontece porque o Brasil é considerado como um país crítico no quesito controle da doença e risco de contágio.

Somente na segunda quinzena de junho, o Brasil aumentou em 20% o número de novos casos de covid-19, o que corrobora e justifica a decisão da Europa em banir a entrada dos brasileiros e deixar o país fora da Lista Verde.

Lista Verde da Europa: como funciona

A chamada Lista Verde da Europa elenca quais países têm a entrada permitida no continente. Essa lista pode aumentar de tamanho à medida que as nações do bloco econômico entendam que determinada nacionalidade está controlando bem a doença e não apresenta riscos para os cidadãos europeus.

A lista está sendo adotada por 25 dos 27 membros da União Europeia, além de outros quatro países que fazem parte do Espaço Schengen. Ficou definido que nações componentes do bloco econômico não são obrigadas a aderir à lista, porém, se um país mantiver fronteiras abertas para visitantes considerados de risco, terá que arcar com as consequências de uma possível infecção em massa.

Entretanto, um país pode ganhar ou perder a liberação de entrada. A cada duas semanas, os dirigentes dos países que estão utilizando a lista devem se reunir para verificar se alguma nação pode receber a autorização ou não, além de retirar permissões para as nações que tiverem picos da doença.

Assim, se neste primeiro momento os brasileiros não podem visitar a Europa, é possível que com o controle da doença e a consequente queda nos números de casos, essa realidade mude, passando a incluir o Brasil na Lista Verde.

15 países têm a entrada liberada na União Europeia

Por enquanto, a Europa aprovou a entrada de cidadãos de 15 países, sendo eles Argélia, Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Montenegro, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Sérvia, Tailândia, Tunísia e Uruguai.

Além desses, a China também entra para a lista dos aprovados, porém adotando o princípio de reciprocidade. Ou seja, as fronteiras são abertas para os chineses se a China abrir suas fronteiras para os europeus.

Por fim, residentes dos microestados europeus Andorra, Mônaco, San Marino e Vaticano, e o Reino Unido (que está em processo de saída da União Europeia) tem os “portões” abertos para a entrada.

Os demais países do mundo, incluindo grandes economias Estados Unidos, Rússia, Arábia Saudita, Turquia e o Brasil, estão com a entrada proibida, tendo como principal motivo o alto número de contágio. De fato, são países que estão enfrentando uma situação complexa no quesito saúde pública.

Como a Lista Verde prevê a atualização a cada quinze dias, é possível que com o passar do tempo, os países proibidos ganhem a aprovação de entrada. Porém, não há uma previsão para isso acontecer, uma vez que tudo depende da forma como o controle da doença se desenvolve em cada nação.

Casos em que os brasileiros podem entrar na União Europeia

Como toda regra, existem exceções quando se trata da admissão de brasileiros na Europa. Quem tem cidadania de um dos países da União Europeia, bem como seus familiares diretos, podem viajar para o velho continente.

Residentes de longa duração, como estudantes ou brasileiros que trabalham na Europa, também podem voltar aos países do bloco. Além disso, profissionais da saúde, pesquisadores, diplomatas, militares, trabalhadores de causas humanitárias e pessoas que cumprem funções extremamente importantes (e não realizáveis de forma remota) têm a viagem autorizada.

Por fim, os brasileiros também podem “passar” pela Europa quando estiverem em trânsito, ou seja, em uma conexão entre um país e outro. Viagens à turismo ou que não se enquadrem na lista de exceções continuam sem previsão de retorno.

Por enquanto, quem é do Brasil vai ter que aprecisar as paisagens incríveis da Europa somente pelo computador, mas já planejando uma boa viagem para quando toda essa situação chegar ao fim, seja com uma pesquisa sobre a autorização de viagem ETIAS ou um planejamento de roteiro.